Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portfólio Psicologia

Portfólio no âmbito da disciplina de psicologia

Portfólio Psicologia

Portfólio no âmbito da disciplina de psicologia

Indivíduos e grupos

Vivemos no interior de vários grupos sócias, nos quais mantemos relações com os outros. Se pensares um pouco num dos grupos a que pertences, apercebes-te que as pessoas com quem interages não te são indiferentes e não têm para ti a mesma importância, o mesmo valor afetivo.

As relações no interior do grupo estão marcadas por sentimentos diferentes e até contraditórios: sentimo-nos atraídos por algumas pessoas , estabelecemos relações de intimidade com outras, temos também experiência de relações marcadas pela agressividade. É precisamente deste tipo de interações que vamos tratar: o que são e como se explicam as relações de atracão, de agressão e de intimidade.

 

Processos de relação entre indivíduos:

 

Atração. Tipo de relação que não está ligada com o poder social, com a necessidade de influenciar o outro. É o interesse pelo outro que me leva a preferi-lo.

Atração interpessoal: avaliação cognitiva e afetiva que fazemos dos outros e que nos leva a procurar a sua companhia. Manifesta-se pela preferência que temos por determinadas pessoas que nos levam a gostar de estar com elas.

 

Fatores que influenciam a atração:

-Proximidade;

-Atração física;

-Semelhanças interpessoais;

-Qualidades positivas;

-Complementaridade;

-Reciprocidade;

-Respeito, aceitação, estimo e gratidão;

 

Agressão: é um comporamento que visa causar danos físicos ou psicológicos a uma pessoa ou pessoas e que reflete intenção de destruir.

Tipos de agressão quanto à intenção do sujeito:

-Agressão hostil;

-Agressão instrumental;

-Agressão direta;

-Agressão deslocada;

-Agressão aberta;

-Agressão dissimulada;

-Agressão inibida;

 

Análise de um estudo de Sherif

 

1ª Fase - Em 1958, Sherif e os seus colaboradores, organizaram experiências num campo de férias de Verão, em Oklahoma, com um grupo de rapazes de 11 e 12 anos, saudáveis e equilibrados, que não se conheciam. Foram divididos em dois grupos. A cada grupo foram atribuídas tarefas que implicavam a cooperação interna e levariam à coesão do grupo.

2ª Fase - Após assegurarem a coesão dentro de cada grupo passaram ao confronto directo entre os dois grupos, com jogos, onde um seria o vencedor e outro o derrotado, proporcionando prémios e troféus à equipa vencedora e recompensas a cada elemento individualmente. O nível de competitividade foi crescendo e no final da segunda semana a rivalidade era forte e evidente. Os rapazes de cada equipa tornaram-se hostis em relação aos da outra, com agressões, assaltos, insultos. Cada grupo sobrevalorizava os seus resultados, ao mesmo tempo que subavaliavam os do outro grupo. Os rapazes mais agressivos tornaram-se líderes no seu grupo, onde não havia lugar a divergências. Entretanto, os investigadores adoptaram comportamentos que favoreciam um grupo em detrimento do outro. O grupo mais prejudicado reagia contra os rapazes do outro grupo e não contra os chefes do acampamento. O nível de coesão dentro de cada grupo aumentou ainda mais, respeitando rigorosamente as normas vigentes.

3ª Fase - Os investigadores terminaram com as actividades competitivas e procuraram a união dos dois grupos favorecendo o contacto entre eles: visualização de filmes em conjunto, etc. Mas o ambiente entre os dois grupos era tão hostil que a participação nessas actividades, ao invés de produzir cooperação, aumentou ainda mais o conflito, aprofundando-se os estereótipos negativos.
Os investigadores introduziram aquilo a que chamaram objectivos superordenados, ou seja, estabeleceram actividades essenciais para ambos os grupos, mas que só se podiam concretizar se houvesse colaboração mútua. Por exemplo, trabalharam em conjunto para reparar a avaria do veículo que distribuía a água pelo acampamento. A execução desta tarefa, em cooperação, essencial para ambos os grupos, alterou progressivamente a avaliação mútua. A hostilidade deu lugar ao desenvolvimento de novas amizades e, no fim das férias, os dois grupos formavam apenas um.
Com esta experiência foi possível avaliar a formação de conflitos entre grupos e o papel da cooperação no processo de superação de relações hostis.
 
Em suma:

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

    Arquivo

    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub